sexta-feira, 6 de maio de 2016

Voltemos ao romantismo

Amor não é o altruísmo, antes pelo contrário. Amor é o egoísmo do ser. O amor
tem que ser egoísta para existir. É o desejo da exclusividade.
Qual seria o objectivo de querer alguém se depois não me importava de partilha-la? Amo-a, claro que não quero partilhar.
A guerra de Tróia começou por amor. Um homem disposto a sacrificar a sua vida, e talvez mais importante, dos seus soldados, por causa de uma mulher. Se isso não é egoísmo, então nao sei o que é. Mas também se não é amor, eu também não sei o que é.
Sempre fui egoísta com as pessoas, nunca com as coisas, nem com serviços ou ajudas, mas sempre com as pessoas, no que toca a amizade e, especialmente, ao amor sempre fui egoísta.
Sou um amante egoísta que abdicava de todos os holofotes do mundo se pudesse estar algures no centro da atenção de quem eu amo.
Amor é requisitar tempo, atenção e carinho de alguém que tem isso tudo e muito mais vindo de nós. Amor apenas serve às pessoas que se amam e mais ninguém. E é por isso que é egoísta.
Parece egocêntrico, mas é apenas amor.


quarta-feira, 4 de maio de 2016

Deus deu nos brinquedos para nos divertirmos

Todos gostamos de brincar, com as mãos, com nós próprios, e acima de tudo uns com os outros.
Brincamos com as palavras, para que nos prestem atenção. Brincamos com a música para que leiam nas entrelinhas. Criamos mitos à nossa volta para sermos mais apetecíveis e esforçamo nos demais nas coisas que deveriam ser naturais e orgânicas.
As mãos é o que dá inicio à brincadeira, é o batedor, que faz a compreensão do que está para (se) vir. Depois elouquece-se, e torna- se instintivo como um cão raivoso, as mãos brincam, o corpo brinca, mas acima de tudo a mente brinca. Deram nos um brinquedo quando nascemos, seria uma pena não brincar.
Sim, porque estando a vida dura, nós não deveríamos estar também?

Deus deu nos
 um brinquedo
E depois queixa se
se o usarmos?
Pecado seria não aproveitar o lado animalistico de nós.
Somos animais, às vezes devíamos agir como tal. Oiçam o
 ritmo do bombo... Subam o tom... Subam oitavas inteiras até
a música ser música para os vossos ouvidos, ate a vossa
Imaginação estar longe, com quem vos der na gana.
E a percussão
Chegar ao clímax
Como todas as
musicas decentes.

Vão e deixem-se vir.







segunda-feira, 2 de maio de 2016

La fille danse

(Acordei de manhã na nossa cama.
Já estavas acordada. Olhavas me, suponho que já à algum tempo. Sorri. Se o tempo tivesse que parar,
que parasse agora. Contigo a olhar me nos olhos.
A dança apertada que se faz num espaço pequeno como aquele vale torna-o maior que qualquer salão.
Tudo o que se sente surge em palavras curtas, expelidas como gemidos e ditas com o maior dos sentimentos. Como uma música francesa. Um "La Vie En Rose" perfeito.
Penso je l'aime des fois, sempre quis apreciar Paris com alguém sabias?
Uma cidade tão grande, com alguém tão grande, só pode servir para alimentar o meu ego tão pequeno e tão egoísta.
Vês? Ainda agora acordei e já os teus os teus olhos me levaram para longe.
Esta é daquelas manhãs que dura a tarde toda...

Podiamos ficar a olhar nos, só nós, nos olhos, porque sim. Se isso não é viver não sei o que será.
E podiamos tocar-nos, dançar com os dedos na pele um do outro. Podiamos aproximar nos e fazer o que os coelhinhos fazem. C’est comme ça. Ou então podemos sonhar acordados, fazer viagens sem sair da cama, imaginar que o faremos quando arranjar mos a coragem de nos largar e levantar do calor da cama.

Somos assim, sem devaneios, sem complicações, só nós existimos, só nós precisamos de existir, somos maiores que o tempo, não há tempo que nos chegue, a cama é o nosso mundo e tu és o centro dele.
Deixo-me ir com o calor do teu corpo e dos lençois, os olhos ficam-me pesados e deixo-me ir. É uma boa vida.)

Acordei de manhã na minha cama. 
Estava sozinho. A sonhar somos felizes. Afastados mas sempre juntos em mim. Talvez em ti também. Sonhemos muito, mas bem. O sonho faz a realidade valer a pena.
C'est la vie.









Com tecnologia do Blogger.

About me

Se, por algum lapso de consciência decidires ler mais alguma coisa que se siga a esta apresentação ficas já avisado que, das duas uma, ou vais deprimir ou vais dizer-me assim "fogo, és um triste", se pensares isso eu respondo-te, "não, eu sou feliz, tenho um pai e uma mãe que trabalham e uma irmã que é uma chata do caraças, tenho uma casa e comida na mesa todos os dias, por isso supostamente não tenho motivos para me queixar." Mas eu sempre fui do contra e dado a minha idade e teimosia arranjo sempre motivos para me queixar.